Clique para ouvir o texto selecionado! GSpeech
Menu

twitter facebook google youtube instagram tumblr email

Comunidade de matriz africana é vítima de “chuva de pedras” por evangélicos

Maceió: Comunidade de matriz africana é vítima de “chuva de pedras” por evangélicos – Repórter Nordeste Maceió: Comunidade de matriz africana é vítima de “chuva de pedras” por evangélicos – Repórter Nordeste

O episódio de intolerância religiosa aconteceu no bairro do Cruzeiro do Sul, no último sábado (3), segundo relato encaminhado ao blog.

A comunidade tradicional de matriz africana Ilê Nife Omo Nije Ogba foi alvo de uma “chuva de pedras” durante realização de uma das cerimônias. Ao redor da comunidade existem templos evangélicos e eles associam o episódio a vizinhos destas denominações religiosas.

Veja relato:

A Comunidade Tradicional de Matriz africana Iyá Niger, localizada no conjunto Margarida Procópio, quadra C, no bairro da Forene, é coordenada pela Iyálorixá Nailza Araújo, mulher negra que mantem as tradições herdadas dos seus antepassados africanos, e promove o repasse destes saberes para os mais jovens de forma pratica, vem sofrendo com a intolerância no seu cotidiano. O terreiro tem em seu entorno diversas igreja pentecostais, e muitos de seus fiéis, residem próximo.

No último sábado, 03/03, no começo da noite, 18 horas, durante uma cerimônia tradicional da casa, todos os participantes foram surpreendidos com uma chuva de pedras que foram arremessadas sobre o telhado da comunidade tradicional, crianças e jovens entram em desespero, enquanto eram acolhidos pelos adultos, a polícia foi acionada diversas vezes, mas não ouve retorno, a ação dos vândalos perdurou até mais da meia noite, quando a líder da casa, não aguentando tanta intolerância, sai pela rua do conjunto  sinalizando a importância da garantia de direitos.

No Domingo a delegacia de plantão foi acionada e realizado um boletim de ocorrência, que a direcionou a delegacia do 10º distrito, no bairro do Eustáquio Gomes.

Um grupo de religiosos, acompanharam a religiosa e em reunião decidem acionar as federações, a Secretaria da Mulher Cidadania e dos Direitos Humanos, a OAB e os Órgão municipais e estaduais, competentes para buscar soluções.

Não podemos nos silenciar, é preciso que o poder público nos dê liberdade de culto, somos cidadão, pagamos nossos impostos, disse a Ialorixá Naiza Araújo, no momento de desespero.

FONTE: Repórter Nordeste

Deixe um comentário

Envie seu comentários, ele será analisado por nossos moderadores e em breve será publicado. Agradecemos sua participação

Portal Afroxé

voltar ao topo

Notícias em Destaque

Admin Portal - avatar Admin Portal

Vândalos depredam centro de candomblé

20-03-2017 | Hits:802

Vândalos depredaram um centro de umbanda e candomblé na Vila Toninh...

Admin Portal - avatar Admin Portal

Lista terreiros de candomblé na BA e dicas para fr…

14-02-2017 | Hits:8997

Asogbá do Terreiro Ile Axé Oyá Tolá indica como visi...

Admin Portal - avatar Admin Portal

Pastora que quebrou imagem de santa em SP sofre pa…

13-01-2017 | Hits:1378

Após a repercussão negativa de um vídeo publicado nas redes...

Carol ty Oba - avatar Carol ty Oba

Terreiro Vodun Zo Kwe é tombado pelo município

15-01-2016 | Hits:1219

Terreiro Vodun Zo Kwe é tombado pelo município   "O Rio...

Seções

Mostrar

Notícias Locais

Ferramentas

Sobre Nós

Siga Nos

Clique para ouvir o texto selecionado! Home